Universidade do Algarve um passo à frente na Futurália

31/03/2017

Universidade do Algarve um passo à frente na Futurália

“Achei os cursos muito interessantes e que podem ser o meu futuro para a universidade”, é desta forma que Manuel Macilha, 16 anos, do Instituto Educativo de Lordemão, Coimbra, comenta a vista ao espaço da Universidade do Algarve, que marca presença na Futurália – Feira de Educação, Formação e Orientação Educativa, que decorre na FIL, em Lisboa, até 1 de abril.

Assim que as portas abrem, são milhares os jovens, de diferentes faixas etárias e oriundos das várias regiões do país, que ocupam o átrio do edifício, numa grande agitação e animação. A pressa é muita para conquistar o espaço, conhecer toda a oferta e ganhar algum contacto com a nova realidade escolar.

A Universidade do Algarve (UAlg) é uma das mais de 300 instituições de ensino superior e profissional, nacionais e também estrangeiras, que marcam presença nos pavilhões da FIL. A oferta formativa é divulgada através de atividades muito variadas, que vão da disponibilização dos tradicionais folhetos informativos e materiais escolares ao uso de tecnologias, como óculos virtuais e câmaras, e de aparelhos de ginásio, e aos espetáculos de teatro e música. Mas o ponto forte neste encontro dos estudantes com as faculdades e escolas que marcarão o seu futuro é a possibilidade de conversar com os voluntários, maioritariamente estudantes, que apresentam melhor do que ninguém os seus cursos e academias. Na edição deste ano, a UAlg faz-se representar por uma equipa de onze pessoas. O objetivo é transformar as indecisões num plano definido e concreto. Manuel Macilha, um dos muitos indecisos, confessa: “pessoalmente não sei bem para onde quero ir portanto estou a aproveitar para ver. Assim, tenho visto cursos que me interessaram bastante”. Já Márcia Marcelino afirma que “vinha com uma ideia fixa, que era procurar faculdades e universidades que tivessem que ver com medicina”. A estudante, de 17 anos, refere que sempre teve “esta mania de ficar com medicina na cabeça”, mas que a vista à feira ajuda a conhecer melhor as alternativas disponíveis.

Márcia André, técnica do Gabinete de Comunicação e Protocolo da UAlg, revela que as perguntas mais frequentes por parte dos alunos relacionam-se com os “índices de empregabilidade”, as “saídas profissionais”, as especificidades dos cursos oferecidos pela academia algarvia e, por exemplo, “pormenores sobre o curso de medicina”. O Mestrado Integrado em Medicina, para o qual “há alunos sempre muito interessados”, e também os cursos de Biologia Marinha, Turismo e Gestão Hoteleira são alguns dos mais abordados pelos visitantes dos espaços da UAlg, refere Márcia André, para quem a presença na feira “tem estado a correr muito bem”.

Paulo Ferreira, aluno do 2.º ano de Gestão de Empresas, conta que fez a sua primeira visita à Futurália no 11.º ano. Agora, enquanto voluntário da UAlg, procura ajudar os mais novos nas suas “decisões dos cursos que querem, aquilo que eles mais gostam de fazer”, até para “não estarem a estudar para exames que não lhes vão servir de nada”. Para o estudante, as médias de entrada estão entre as principais preocupações. “Uma das perguntas que mais recebo, e logo das primeiras, é qual é a média para entrar e qual é que é a média para entrar ali? Vejo essa insegurança, já no meu tempo era assim”, confessa. Já no que respeita a localização da UAlg face às grandes cidades, considera que a distância talvez seja cada vez menos “um obstáculo para algo que eles querem fazer”. Paulo Ferreira, que não deixa de afirmar “o facto de gostar do curso”, realça que “no geral para falar do ambiente em si, do ambiente estudantil e académico, acho que não há ninguém melhor que os alunos para falar sobre isso com outros alunos”.

Na edição de 2016 a Futurália registou a presença de 79 000 alunos e este ano tudo aponta para que o número seja superado. André Botelheiro, coordenador do Gabinete de Comunicação e Protocolo da UAlg, faz “um balanço a meio muito bom. Muita gente a passar nos nossos stands, muita gente a levar os nossos materiais de divulgação, as nossas brochuras, os nossos flyers”. Para além das questões habituais, André Botelheiro nota que outras vão surgindo, sobre novas ofertas formativas, por exemplo, como os cursos de verão. “Já vêm perguntar-nos como é que se podem inscrever, que cursos estão disponíveis, agora também muita curiosidade com os TeSP, são cursos novos de curta duração, muito vocacionados para os alunos que vêm do ensino profissional e que aqui encontram uma solução de formação profissional de ensino superior que lhes dá acesso ao nível 5 e depois mais tarde podem ingressar até no ensino superior de uma forma preferencial”, aponta. Sobre a participação dos estudantes da UAlg na feira, o coordenador valoriza o seu “testemunho do que é viver em Faro, o que é participar na academia da Universidade do Algarve”. Afinal, observa, “as pessoas saem de alguma forma esclarecidas e sem esta colaboração o nosso trabalho não teria sucesso, de certeza”.

Nota de imprensa elaborada por: Beatriz Dias e Rafael Duarte, alunos do 1.ºano do curso de licenciatura em Ciências de Comunicação, da Escola Superior de Educação e Comunicação da Universidade do Algarve