O transporte de ferro nas plantas

Nome do projeto: O transporte de ferro nas plantas: novas abordagens para um problema antigo. Aumento da mobilidade do ferro e desenvolvimento de um novo fertilizante baseado em extratos de aparas de relva.

Investigador responsável: Maribela Pestana

Data início: 1 / abril / 2013

Área Científica: Ciências Agrárias/ Produção

Breve sumário do projeto:
O ferro (Fe) é o segundo elemento metálico mais abundante nos solos, e apesar de ser necessário em pequenas quantidades para as plantas a incidência de clorose férrica é comum em todo o mundo. A correção da clorose férrica é habitualmente efetuada através da aplicação massiva ao solo de quelatos de Fe sintéticos. Em 2008, o mercado europeu de quelatos de Fe utilizados na agricultura representava mais de 40 milhões de Euros por ano. O custo e os impactos ambientais do uso dos quelatos de Fe conduziram a uma pesquisa por novos produtos para fornecimento de Fe às plantas. Soluções sustentáveis para a nutrição adequada em Fe necessitam de ser ajustadas a cada cultura e às condições de crescimento ideais, em particular ao binómio, árvores de fruto e solos calcários. Neste projeto, propomos continuar os estudos anteriores utilizando um extrato vegetal obtido a partir de um resíduo (aparas de relva) que é produzido em grandes quantidades sendo depositado em aterros com um custo elevado de remoção e transporte. Trabalhos preliminares efetuados em projetos anteriores indicaram que este extrato de relva pode corrigir a clorose férrica. Existe uma patente nacional (PT/103584-2009) da UALG e uma internacional (PCT/PT2007/000041-2008; em compropriedade entre a UALG e a empresa ADP-Fertilizantes), já registada em Espanha (P200950018-2009) e Brasil (PI0716366-5-2009). A ideia inovadora deste projeto é a de que conhecendo os mecanismos bioquímicos que estão na base da atuação deste extrato vegetal, identificar os compostos efetivos na correção da clorose, e transformar estes compostos num fertilizante orgânico e inovador capaz de controlar a clorose, de fornecer Fe às plantas. Os compostos isolados deste extrato poderão mobilizar as reservas endógenas de Fe e funcionar como transportadores do Fe móvel na planta. Para atingir os objetivos, serão utilizados os procedimentos e metodologias habituais e que já foram amplamente utilizados pela equipa proponente. Novas metodologias de ponta serão implementadas tais como, a utilização da LC-MS já testada pela equipa e a utilização do isótopo estável do Fe (57Fe), com o apoio do consultor deste projeto. O silenciamento genético induzido por vírus será usado como uma nova abordagem para aprofundar o conhecimento do papel da enzima quelato de ferro redutase na raiz.

Palavras-chave: Clorose férrica; Isótopo 57Fe; Fertilização foliar; Morangueiro; Silenciamento genético induzido por vírus; Transportadores do ferro.