António Nóvoa

António Nóvoa

“Precisamos de ligar a universidade à sociedade, porque é nesta ligação que está o futuro de Portugal” defendeu, ontem, dia 7 de maio, António Sampaio da Nóvoa, na Universidade do Algarve, onde lhe foi atribuído o título de Doutor Honoris Causa. O homenageado agradeceu o gesto que, na sua opinião, “nos convida todos a parar, nem que seja apenas por um instante, para repensar grande parte das linguagens e das práticas que têm invadido o mundo universitário: o apelo a uma competição permanente, a rankings tantas vezes perversos, a uma vida académica dominada por métricas absurdas de avaliação dos professores e dos investigadores”.

Para António Nóvoa “é urgente reencontrar um sentido para o trabalho universitário, e só o conseguiremos se tivermos a ousadia de percorrer outros caminhos e de afirmar as nossas instituições a partir de dentro, da procura da nossa própria identidade, sem andarmos sempre a correr atrás de lógicas e de critérios que nos impõem de fora”.

Durante o seu discurso, o antigo reitor da Universidade de Lisboa, escolheu três palavras para fazer referência à sua própria vida – liberdade, conhecimento e compromisso – que marcam o seu percurso como professor, como universitário e como reitor.

Centrando-se na palavra “liberdade”, o novo doutor da UAlg garante que «já não nos basta uma “escola para todos”, precisamos de uma “escola onde todos aprendam”. Há quem se contente com o “sucesso parcial” de alguns, mas nós não, porque a aprendizagem de todos é a marca de água da escola pública e da liberdade.»

Citando o escritor francês Marcel Proust, António Nóvoa também considera que “a verdadeira viagem da descoberta não é encontrar terras novas, mas sim adquirir novos olhos, novas maneiras de olhar”.

No que concerne ao “conhecimento”, António Nóvoa, frisou que «o que interessa sublinhar é a forma como o conhecimento é a base da liberdade, de uma razão ilimitada, da procura “descomprometida”, liberta de “dogmas, inquisições e fundamentalismos”, de “poderes políticos, financeiros e sociais” (António Coutinho). Mas, explicou «este “descomprometimento” não pode ser nunca ausência de compromisso. Bem pelo contrário. É o assumir de um compromisso maior, de uma responsabilidade que vai muito para além da universidade.»

Referindo-se ao “compromisso”, o novo doutor da UAlg defende que “precisamos de ligar a universidade à sociedade, porque é nesta ligação que está o futuro de Portugal.”

Por seu lado, o reitor da UAlg, António Branco, realçou o exemplo de autonomia académica que a Universidade do Algarve demonstrou, ao longo do caminho percorrido, aprovando sucessivamente, em todos os Conselhos Científicos das Faculdade e Escolas e, finalmente, no Senado Académico, a proposta de atribuição do título de Doutor Honoris Causa ao professor António Nóvoa. “Estamos a falar de cerca de 200 membros da Academia, entre professores, investigadores, estudantes e funcionários não docentes, oriundos de áreas científicas, convicções ideológicas e funções académicas muito diversificadas”, explicou António Branco. Para o reitor “essa enorme variedade de interesses e intenções, associada à liberdade total que cada um teve de se pronunciar como bem entendesse nas várias instâncias do caminho, revelam duas evidências: o reconhecimento académico muito amplo da justeza da proposta da Faculdade de Ciências Humanas e Sociais e o elevado grau de autonomia individual de cada um dos membros da Academia que foi chamado a pronunciar-se". António Branco fez questão de sublinhar este aspeto “por ser aquele que mais admira, pessoalmente, numa Universidade: a sua capacidade de resistir, em determinados momentos históricos, à interferência, nas decisões que toma, de critérios alheios à sua natureza e ao seu papel; a sua capacidade de responder à sociedade do espetáculo com atitudes firmes, alicerçadas em valores académicos consistentes.”

Recorde-se que a proposta de atribuição do título de Doutor Honoris Causa a António Sampaio da Nóvoa iniciou-se em julho de 2014 e terminou a 18 de março de 2015, data em que o Senado Académico da Universidade do Algarve aprovou a deliberação.

Para além das muitas personalidades e amigos presentes, a cerimónia contou também com a presença do antigo reitor da Universidade de Lisboa, professor José Barata-Moura, que, na qualidade de padrinho, proferiu o discurso de elogio de António Sampaio da Nóvoa.

Discurso do reitor da UAlg, António Branco

Discurso do professor José Barata-Moura

Discurso do novo doutor, António Nóvoa

Veja aqui o álbum de fotografias da cerimónia.

Share Partilhar