Intensidade turística

Intensidade turística

Os resultados do projeto ShapeTourism, apresentados na Escola Superior de Gestão, Hotelaria e Turismo (ESGHT) da Universidade do Algarve, no passado dia 20 de abril, indicam que a intensidade turística – que mede a relação entre o número de dormidas e o número de residentes de uma região – apresentará uma taxa de crescimento de 33% na Área Metropolitana de Lisboa, enquanto no Algarve será de cerca de 25%.

A apresentação dos resultados deste projeto europeu (ShapeTourism - New shape and drives for the tourism sector: supporting decision, integrating plans and ensuring sustainability), coordenado por Luis Nobre Pereira, docente da ESGHT, contou com a participação do reitor da UAlg, Paulo Águas, e do presidente da CCDR-Algarve, Francisco Serra. Marcaram ainda presença várias instituições do Algarve, diversos decisores políticos e representantes de instituições ligadas ao turismo, bem como membros da comunidade académica.

A seguir à apresentação dos resultados houve um período de intenso debate sobre a importância do Sistema de Apoio à Decisão no Turismo, desenvolvido no âmbito do projeto, que contou com a participação de autarcas das Câmaras Municipais de Faro, Olhão, Portimão, Albufeira e Silves, da Diretora Regional da Cultura, de representantes da Região de Turismo do Algarve e de diversos outros stakeholders do turismo.

Neste Sistema de Apoio à Decisão pode verificar-se que o Algarve se encontra no grupo das regiões costeiras do Mediterrâneo com maior intensidade turística (47 dormidas por residente, em 2016) e também maior densidade turística (4.189 dormidas por Km2). Contudo, encontra-se muito afastado das regiões onde a pressão turística é muito elevada, como é o caso da região de Notio Aigaio (onde se localiza Santorini, Miconos e Rodes) - que apresentou 71 dormidas por residente em 2016 - e de Malta, onde se registaram 28.444 dormidas por km2.

Admitindo que a tendência do passado se irá manter no futuro, prevê-se que em 2020 o Algarve apresente 59 dormidas por residente (+25% do que em 2016) e 5.210 dormidas por km2 (+22% do que em 2016), o que se traduzirá numa taxa média de ocupação de 41%.

Por seu lado, a Área Metropolitana de Lisboa apresentou uma densidade turística superior à do Algarve (5.420 dormidas por Km2), mas uma menor intensidade turística (6 dormidas por residente). O cenário para a Área Metropolitana de Lisboa em 2020, supondo que a tendência do passado se irá manter no futuro, será de um aumento superior a 30% na intensidade turística e na densidade turística (prevê-se que tenha aproximadamente 8 dormidas por residente e 7.128 dormidas por km2). Estima-se que a taxa média de ocupação seja de 54% em 2020 (foi de 42% em 2016).

Este Sistema de Apoio à Decisão desenvolvido pela ESGHT, no âmbito do projeto ShapeTourism, inclui quatro módulos – um Observatório, um Inquérito, Mapas de Cenários e Clusters de Regiões – e está disponível para qualquer utilizador em www.shapetourism.eu.

O Observatório disponibiliza indicadores de sustentabilidade, competitividade e atratividade e um índice de reputação (de atrações, hotéis, restaurantes e aluguer) para todas as regiões do Mediterrâneo. O módulo do Inquérito aos stakeholders do turismo disponibiliza informação regional e comparável sobre práticas e barreiras à sustentabilidade (sob o ponto de vista dos stakeholders privados e públicos), perceção sobre ciclo de vida dos destinos, externalidades do turismo e dinâmicas do turismo. Já o módulo dos Mapas de Cenários para a região MED permite aos utilizadores analisar a evolução, desde 2000, de indicadores de intensidade e densidade turística, taxa média de ocupação e duração média da estada, incluindo uma comparação entre regiões costeiras e regiões não-costeiras. Para além disso, este módulo permite aos utilizadores analisarem e compararem cenários para 2020, 2025 e 2030. Por último, no módulo Clusters de Regiões do Mediterrâneo o utilizador pode visualizar quais são as regiões mais semelhantes em termos das dimensões no modelo de Força-Pressão-Estado-Resposta.

O projeto ShapeTourism “New shape and drives for the tourism sector: supporting decision, integrating plans and ensuring sustainability” é cofinanciado pelo FEDER, através do programa Interreg V-B MED. Além da Universidade do Algarve, o ShapeTourism tem ainda os seguintes parceiros: Ca’Foscari University of Venice (Itália); University of Split (Croácia); University of Malaga (Espanha); Research Centre of the Slovenian Academy of Sciences and Arts (Eslovénia); Cyprus Center for European and International Affairs (Chipre) e Italian Association of the Council of European Municipalities and Regions (Itália).