"Medicina no Futuro"

"Medicina no Futuro"

“Medicina no Futuro” é o tema das III Jornadas do Núcleo de Estudantes de Medicina da Associação Académica da Universidade do Algarve (NEMed), que irão realizar-se, no dia 9 de novembro, no Auditório Verde do Campus de Gambelas, em Faro.

“Medicina no Futuro” foi o tema escolhido para estas jornadas porque, “por um lado, a tecnologia e a ciência evoluem a um ritmo alucinante, que obriga os médicos a resistirem a dogmas ou verdades absolutas, pois de outra forma correm o risco de não acompanhar o estado da arte”, referem os organizadores. Por outro, “a própria sociedade atual está exposta a uma quantidade avassaladora de informação e, portanto, a todos os aspetos positivos e menos bons dessa situação”. Estes futuros médicos estão conscientes de que “a Medicina no Futuro será bem diferente daquela que se conhece hoje, não só pela expansão do conhecimento, mas também pelos novos papéis desempenhados quer pelo médico, quer pela própria sociedade enquanto utente de cuidados de saúde.

“Doentes do futuro?” vai ser o primeiro tema em debate. Para o NEMed, este tema é crucial porque "no futuro esperam-nos doentes melhor preparados, mais exigentes, mais participativos, mas também portadores de um manancial de informação para a qual o médico servirá de mediador, no sentido de potenciar as decisões individuais mais adequadas”. 

A segunda mesa será dedicada à “Inteligência artificial aplicada à medicina no século XXI”, onde serão apresentadas várias abordagens: “Visão do Clínico”, “Visão do Informático” e a “Visão do Humanista”. A importância deste tema prende-se com o facto de a inteligência artificial poder ser “encantadora, mas também assustadora”. Se por um lado, “pode ser uma preciosa ajuda na gestão de informação e auxiliar na tomada de decisão, através dos algoritmos que têm sido desenvolvidos, por outro, ameaça a forma dos vários contextos sociais como os temos conhecido até agora”, constata o NEMed. Por isso, “com o contributo dos vários atores envolvidos, interessa então refletir sobre como tirar o maior proveito da mesma para os cuidados de saúde”.

O “Doente Paliativo” também vai estar em destaque nestas jornadas porque o paradigma da medicina curativa há muito se revelou insuficiente na resposta a um conjunto de entidades criadas pelo próprio avanço da medicina, que permitiu que pessoas hoje em dia sobrevivam durante mais tempo, com doenças que de forma crónica afetam a sua qualidade de vida. “O futuro em medicina e em cuidados de saúde passa por criar respostas que permitam que estes doentes possam viver com as suas condições da melhor forma possível”, defendem.

A terminar, o NEMed colocará em discussão a seguinte questão: “Será o médico dispensável no futuro?”. Questionados sobre a necessidade de discutir esta questão, explicam: “pretendemos discutir qual o papel que virá a ocupar o médico tendo em conta os avanços e mudanças que se têm sentido e que estão para vir. Não acreditamos que o médico seja dispensável no futuro, mas assumimos que novos contextos de saúde surgirão e novas competências serão necessárias para que a Medicina continue a dar resposta às necessidades da sociedade”.

Decorrerá ainda um Concurso de Pósteres, sendo que a submissão de trabalhos técnicos e científicos deverá ser subordinada à temática das Jornadas.

As Jornadas têm como destinatários estudantes de medicina, médicos, estudantes e profissionais de outras áreas da saúde.

A entrada é gratuita, mas de inscrição obrigatória aqui

​​​​​​​

Share Partilhar