Turismo de natureza junta parceiros do projeto TrailGazersBID para partilharem experiências

09/09/2020

Turismo de natureza junta parceiros do projeto TrailGazersBID para partilharem experiências

A comissão de gestão do projeto TrailGazers, que conta com a participação da Universidade do Algarve, reuniu-se pela quarta vez com o objetivo de partilhar os principais progressos e experiências de cada parceiro.  A reunião, que deveria ter decorrido nas Ilhas Canárias, no mês passado, realizou-se, mais uma vez, virtualmente.

Recorde-se que o TrailGazersBID é cofinanciado pelo programa Interreg Atlantic Area, através do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional, e possui um orçamento de 2,5 milhões de euros. O projeto, que estuda oito trilhos piloto, representa uma oportunidade para os atores locais, grupos comunitários, entidades municipais ou pequenas empresas colaborarem no desenvolvimento de novas iniciativas de turismo de natureza. As experiências resultantes serão traduzidas num conjunto de ferramentas transferíveis para a gestão e promoção de itinerários sustentáveis. Em suma, será um impulso ao desenvolvimento rural.

Dada a impossibilidade de reunir presencialmente, a Dirección General de Lucha contra el Cambio Climático y Medio Ambiente procurou aproximar a equipa das Ilhas Canárias. Apresentaram a rota de 13 quilómetros da Caldera de Taburiente, trilho piloto do projeto, que recebeu em 2019 cerca de 16 mil visitantes. Foram apresentados os progressos em relação ao registo de imagens da área natural, uma das ações mais importantes para o desenvolvimento de material promocional, agregando valor adicional à missão, quer no que respeita à realização de reportagens e recolha de imagens, quer no que diz respeito à garantia da sustentabilidade ambiental das áreas selecionadas.

A reunião continuou com a intervenção do parceiro francês, Louvigné du Désert, responsável por criar uma brochura modelo com os diferentes trilhos e a riqueza ambiental e cultural de cada um deles. Além disso, o parceiro apresentou o roteiro e o tema dos cinco podcasts que serão realizados com lazer “saudável”, destacando os benefícios dos itinerários naturais para o corpo e para a mente.

Donegal (Irlanda) partilhou sua experiência no primeiro Programa de Embaixadores da Comunidade Trail, realizado no quadro do TrailGazers, no trilho Inch Levels. Sobre a temática “histórias perdidas e folclore”, contou com a participação de cerca de 30 pessoas e construíram uma narrativa em torno do património natural, cultural e arquitetónico da região. Os especialistas apresentaram as diferentes características do trilho e, posteriormente, em grupos, incentivados por um contador de histórias, conseguiram tecer histórias do local e identificaram pessoas da comunidade que poderiam colaborar com as suas memórias, gerando conteúdo para o aplicativo de interpretação.

Nasuvinsa, em representação de Navarra (Espanha), coordenou com os parceiros a ferramenta de mapas da Web, que trabalhará para identificar espaços e serviços de interesse nos itinerários e áreas adjacentes. Neste verão, o Plazaola Greenway (trilho proposta por Navarra), juntamente com várias entidades locais e em resposta ao interesse que a Covid-19 despertou nas áreas naturais, organizou diversos eventos (plazaola.org, sakana.eus e redexploranavarra.es). Além disso, graças às sinergias cooperativas com a Rede Explora, que empregará técnicas para trabalhar a sustentabilidade na área, será incentivado o compromisso com a via verde.

A Universidade de Ulster apresentou o progresso dos parceiros na aquisição de tecnologias de sensores de pegada para os seus trilhos de caminhada. Cada trilho exigiu uma solução tecnológica personalizada para coletar informações precisas sobre o uso e os padrões de visitantes. Também foi fornecida uma metodologia de desenvolvimento e fluxo de trabalho para a plataforma do painel Trailgazers de código aberto - os dados serão exibidos no painel de trilhos interativos, permitindo análise de pisada e previsão de visitantes.

Para finalizar, a Universidade do Algarve (Portugal) explicou o guia desenvolvido para calcular os gastos económicos em trilhos, ação central do projeto. O documento metodológico mencionava três tipos de pesquisas para coletar o máximo de informações possível: perfil do usuário, empresas da região e gastos dos moradores.

O estudo dos oito trilhos piloto representa uma oportunidade para os atores locais, grupos comunitários, entidades municipais ou pequenas empresas colaborarem no desenvolvimento de novas iniciativas de turismo de natureza. As experiências resultantes serão traduzidas num conjunto de ferramentas transferíveis para a gestão e promoção de itinerários sustentáveis.

Share Partilhar