UAlg estuda possibilidade de transformar edifício da ESS

UAlg estuda possibilidade de transformar edifício da ESS

​​​​​​​A Universidade do Algarve assinou, no dia 12 de novembro, em Tomar, a adesão ao Fundo Nacional de Reabilitação do Edificado (FNRE). Com a adesão a este Fundo, a UAlg pretende estudar a viabilidade económica de transformar as antigas instalações da Escola Superior de Saúde, junto ao Teatro das Figuras, em Faro, numa nova residência universitária.

O FNRE é gerido pela Fundiestamo, com envolvimento do Instituto de Gestão de Fundos de Capitalização da Segurança Social, e irá promover a oferta para estudantes do ensino superior e famílias que, não sendo carenciadas, têm dificuldade em encontrar habitação condigna a valores que conseguem suportar. Este fundo não implica verbas do Orçamento do Estado, nem obriga as entidades a endividarem-se ou a consumirem capitais próprios.

Segundo o presidente da Fundiestamo, Alberto Souto Miranda, “os imóveis envolvidos representam um total de 19 milhões de euros, a que se juntam os 18 milhões para obras, num investimento total de 37,7 milhões de euros.

Para o reitor da UAlg, saber se economicamente é viável transformar as instalações do antigo edifício da Escola Superior de Saúde, em residência universitária, é condição indispensável para o processo de tomada de decisão em curso.

A transformação do edifício em residência, situada entre os dois campi (Gambelas e Penha) e com boa ligação à rede de transporte urbanos, constituirá um forte contributo para minorar as dificuldades atualmente sentidas pelos estudantes deslocados em encontrar alojamento a preços acessíveis.

Recorde-se que a Escola Superior de Saúde já está a funcionar em pleno no Campus de Gambelas, desde o início deste ano letivo.

Refira-se que, atualmente, os Serviços de Ação Social da Universidade do Algarve dispõem de nove Residências Universitárias, com 558 camas, destinadas aos estudantes de formação inicial e mestrados, totalmente lotadas. As residências encontram-se distribuídas por Faro, Gambelas e Portimão e apresentam estruturas diferentes, estando organizadas por edifícios tipo residencial ou apartamentos. Docentes e investigadores (nacionais e estrangeiros) também podem contar com o apoio dos Serviços de Ação Social da UAlg, que disponibilizam seis residências, com uma capacidade global de 56 camas.

Além da UAlg, assinaram protocolo com o FNRE as Universidades de Coimbra e de Évora e os Institutos Politécnicos de Coimbra e de Leiria.