Apresentação

Objetivos

Fornecer aos profissionais da área da Sociologia uma formação teórica, metodológica e conceptual aprofundada que os habilite a analisar criticamente os diversos processos sociais da contemporaneidade, bem como a formular diagnósticos suscetíveis de apoiar a tomada de decisões no que diz respeito à intervenção na sociedade. Este curso de mestrado pretende fomentar a aquisição de competências e conhecimentos aprofundados nas principais orientações da Sociologia , bem como, a estimular a capacidade para utilizar esses instrumentos nos diversos contextos de investigação e de profissionalização. Pretende-se que os futuros Mestres em Sociologia sejam capazes de aplicar os métodos e técnicas característicos da investigação Sociológica na elaboração de desenhos de investigação nas áreas tratadas pelo Plano de Estudos; deverão igualmente ser capazes de utilizar o espírito analítico e o pensamento crítico e reflexivo para a interpretação da realidade social envolvente.

Público alvo

Detentores de um grau de 1º ciclo em Sociologia ou noutras Ciências Sociais – nomeadamente, em Antropologia, Geografia, Intervenção Social, Educação Social, Educação e Intervenção Comunitária, Turismo, Ciências da Educação e da Formação, Ciências da Comunicação, História, Relações Internacionais, etc.

O curso pode, também, ser frequentado por detentores de licenciaturas noutras áreas científicas que exerçam atividade profissional ou científica nas áreas temáticas tratadas nas diversas Unidades Curriculares.

Organização do Curso

O Mestrado em Sociologia está organizado em duas componentes curriculares:

a) Uma componente letiva, constituída por 10 unidades curriculares, que se designa por Curso de Especialização em Sociologia, com a creditação de 60 ECTS e a duração de dois semestres; b) Uma componente não letiva, para elaboração de uma dissertação, de um trabalho de projeto ou de um relatório de estágio – com a duração de um ano e uma creditação de 60 ECTS. A carga letiva de cada unidade curricular é de 19 h em aulas Teórico-Práticas (a que se somam 21h de Orientação Tutorial) e que correspondem apenas a uma parte do tempo que se espera que os mestrandos dediquem a cada unidade curricular, sendo a maioria do trabalho realizado fora do período de aulas. Os alunos que concluam com aproveitamento a componente letiva poderão requerer o Diploma de Especialização em Sociologia.

Apresenta-se, em seguida, a síntese dos conteúdos programáticos das unidades curriculares obrigatórias:

Globalização e Mobilidades. A globalização constitui um fenómeno com uma enorme abrangência e importância nos dias que correm. Influencia um conjunto alargado de dimensões da vida contemporânea e tem vindo a imprimir inúmeras mudanças societais: a nível da organização económica (quer a nível macro, quer a nível micro), ao nível das alterações nos conceitos e práticas ligados ao mundo laboral, a nível dos fenómenos de mobilidades de populações, ao nível das relações sociais entre os atores sociais, ou ainda a nível cultural. Por outro lado, os fenómenos de globalização intersectam-se com as opções políticas e de desenvolvimento dos Estados, tornando-se importante analisar as evoluções mais recentes à luz do paradigma do neoliberalismo – que passou por uma fase de expansão quase hegemónica a partir da década de oitenta, mas que ao longo dos anos noventa e subsequentes tem vindo a ser contestado por alguns movimentos sociais e por experiências alternativas. Finalmente, o estudo da globalização de uma forma integrada não dispensa uma análise dos seus efeitos e impactos ao nível micro.

Redes Sociais e Estrutura Social: Teorias e Práticas: Estrutura social: abordagens teóricas e metodológicas; Redes sociais: perspetivas sociocêntrica e egocêntrica; Redes sociais e o estudo das “meso”-estruturas sociais; Dinâmicas da mudança estrutural: mobilidade e identidade; Estruturas sociais contemporâneas: redes sociais e identidade; O estudo empírico das estruturas sociais: metodologia e estudo de casos; Avanços na análise das redes sociais: metodologia e estudo de casos.; Oficina prática: software aplicado ao estudo das estruturas e das redes.

Metodologias de Investigação Sociológica: Nesta unidade curricular far-se-á uma introdução abrangente no primeiro ponto, centrando-nos no conceito da investigação qualitativa, sua origem e evolução ao longo do tempo, e os problemas que, hoje em dia, têm sido caracterizados por uma dupla crise a que Denzin e Lincoln fazem referência. Num segundo ponto serão abordados os processos característicos da investigação qualitativa, dando especial ênfase às fases de trabalho de campo: a inserção do investigador, os informantes-chave, os porteiros, etc. No terceiro ponto deste módulo, serão estudados alguns dos métodos mais importantes, nomeadamente os métodos etnográficos, as histórias de vida e as abordagens biográficas, bem como os estudos de caso. Em seguida passar-se-á ao estudo das técnicas de recolha de informação, cobrindo os vários tipos de entrevistas, as conversas informais, etc., incluindo as várias formas de registo (notas e diários de campo, etc.). No quarto ponto o foco estudo estará nos processos de análise de dados e sua representação.

Teorias Sociais Contemporâneas. Procurar-se-á discutir e analisar os diversos paradigmas e conceitos que estão na base da Sociologia atual. Tal procedimento será realizado através da análise crítica dos contributos dos principais autores, bem como da contextualização social das suas obras e dos seus percursos científicos e intelectuais. As teorias selecionadas recobrem contextos diversificados que constituem um conjunto representativo de referências fundamentais da análise da sociedade contemporânea. Os objetivos desta Unidade Curricular consistem no alargamento do conhecimento das disposições teóricas, epistemológicas e metodológicas das diferentes Teorias Socais contemporâneas, sobretudo do pós Segunda Guerra Mundial. Os seus objectivos fundamentais são precisamente aprofundar a reflexão crítica em torno dos principais desenvolvimentos teóricos das Ciências Sociais contemporâneas, com vista à superação dos impasses e dualidades que a caracterizaram na segunda metade do século XX.

Racismo e Etnicidade. Face às dinâmicas migratórias e identitárias que vivemos hoje na Europa, o Racismo e etnicidade constituem fenómenos que estão na ordem do dia, quer nas agendas políticas quer na agenda das Ciências Sociais. Esta unidade curricular procura precisamente explorar estes dois fenómenos através de uma perspetiva assumidamente interdisciplinar e crítica, relacionando-os, simultaneamente, com a realidade social portuguesa e europeia. Num primeiro momento explorar-se-ão as problemáticas relacionadas com o racismo, nomeadamente as questões da sua definição e possibilidades de análise sociológica. Para tal distinguir-se-á a discriminação, a segregação, a violência racista, o racismo enquanto doutrina ou ainda os dois tipos ideais de racismo: o “racismo diferencialista” e o “racismo desigualitário”. Será igualmente tratado o problema do racismo na sociedade portuguesa contemporânea e discutida a sua eventual especificidade. É num segundo momento que será encetada uma reflexão em torno da etnicidade e da constituição e manutenção das identidades étnicas nas sociedades contemporâneas. Serão exploradas diversas teorias da etnicidade provenientes da Psicologia Social, da Antropologia e, naturalmente, da Sociologia. Serão em seguida analisadas diversas pesquisas empíricas em torno da etnicidade em Portugal.

Turismo e Mudanças Culturais. Esta Unidade Curricular visa contribuir para a elaboração de um “mapa” das principais transformações modernas da cultura, cujas fragilidades e limites sugerem ambivalências no interior das quais conhecemos e experimentamos a nossa realidade. Tais fenómenos ganham um significado particular no registo em que a cultura funciona como operadora do agenciamento turístico. Abrir e aprofundar um debate em torno da transformação contemporânea da cultura e da pulverização dos seus universos de significação, associada à translocalização maciça de turistas, torna imperativa a interpelação dos seus efeitos e consequências na transformação social dos espaços, enquanto formas mutáveis da coexistência humana. Abandonando primados essencialistas da identidade, esta problematização deve ser observada tendo em consideração a intensificação de uma nova arquitetura de trânsito e impermanência e alargamento de fenómenos como a mediatização, o consumo e o lazer, alterativos dos modos de construção cultural, da formação de identidades e da modelação nas relações entre os indivíduos, grupos e instituições.

Sociedade Conhecimento e Organizações. Esta Unidade Curricular tem como objetivos gerais trabalhar as principais perspetivas sobre o novo paradigma da Sociedade da Informação e do Conhecimento; a Sociologia do Conhecimento e os processos de aprendizagem e gestão do conhecimento nas organizações. Pretende-se que os estudantes desenvolvam os seguintes conhecimentos e competências: 1 - capacidade de análise e pensamento crítico sobre as dinâmicas sociais da Sociedade da Informação e do Conhecimento e sobre a forma como a informação e o conhecimento condicionam as esferas da experiência social contemporânea; 2 - capacidade de análise do processo de construção social do conhecimento; 3 - compreensão dos processos da aprendizagem e das dinâmicas da organização aprendente, onde as situações de trabalho contribuem para o desenvolvimento da capacidade coletiva; 4 - compreensão da criação e da gestão do conhecimento como um processo que envolve diversas dimensões organizacionais, incorporadas nas práticas individuais e ou coletivas da organização.

Seminário de investigação em Sociologia: Esta Unidade Curricular pretende iniciar os estudantes à prática da Investigação Sociológica através do intercâmbio de experiências de Investigação que estão a ser conduzidas por investigadores seniores. Pretende igualmente ser o local de discussão e desenvolvimento dos projetos de investigação conducentes dos estudantes do Mestrado.

Calendário e horário

O primeiro semestre do curso inicia-se no mês de setembro de cada ano.

As aulas funcionam nas instalações da Faculdade de Economia, sector das pós-graduações, em regime pós-laboral às quintas e sextas-feiras, das 18h30 às 20h00 e das 20h30 às 22h00, e aos sábados, das 9h30 às 11h00 e das 11h30 às 13h00.

Notas biográficas dos docentes

João Filipe Marques é Professor Auxiliar na Faculdade de Economia da Universidade do Algarve, investigador integrado no Centro de Investigação sobre o Espaço e as Organizações e Director do Mestrado em Sociologia. É Licenciado e Mestre em Antropologia pela Universidade Nova de Lisboa e Doutor Sociologia pela École des Hautes Études en Sciences Sociales de Paris. Para além de lecionar na área das Teorias Sociológicas, tem investigado, publicado e ensinado nas áreas da Sociologia do Racismo, das Relações Inter-étnicas e da Etnicidade. Entre diversos artigos em revistas científicas e capítulos de livros, é autor do livro Du «non racisme» portugais aux deux racismes des Portugais, (Lisboa, Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural, 2007). Para além destas áreas, entre os seus interesses científicos inclui-se também a Sociologia do Lazer e do Turismo.

José de São José é Professor Auxiliar na Faculdade de Economia da Universidade do Algarve, investigador do Centro de Investigação sobre o Espaço e as Organizações e Diretor da Licenciatura em Sociologia da UAlg. É detentor do grau de mestre em Ciências Sociais, especialização “Família: olhares interdisciplinares”, atribuído pelo Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa e do grau de Doutor em Ciências Sociais, especialidade “Sociologia Geral”, atribuído igualmente pelo Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa. Os seus interesses de investigação incidem sobre os cuidados sociais para as pessoas idosas, a dignidade nas fases adiantadas da vida e as políticas públicas relacionadas com o envelhecimento. Tem publicado a sua investigação em revistas científicas internacionais, tais como Social Policy & Administration, Sociological Research Online, Análise Social, Sociologia-Problemas e Práticas, e Sociologia.

Estrella Gualda é Mestre em Política e Sociologia e Doutorada em Sociologia pela Universidade Complutense de Madrid. É Professora Titular na Universidade de Huelva e Diretora do Centro de Investigações Estudios Sociales y Intervención Social. É membro do Centro de Investigación en Migraciones (CIM) da Universidade de Huelva e do Centro de Investigações sobre o Espaço e as Organizações da Universidade do Algarve. Foi Professora visitante na Princeton University (US), Arizona State University (US), and Universität Augsburg (Alemanha). Dirigiu diversos projetos de Investigação e publicou numerosos livros, capítulos de livros e artigos científicos nas áreas da Sociologia, Exclusão Social, Migrações e Minorias, Fronteiras e Redes Sociais.

José Manuel Figueiredo Santos é Doutor em Sociologia, especialidade de Sociologia da Cultura, pela Universidade Nova de Lisboa. É Professor Coordenador na Escola Superior de Gestão, Hotelaria e Turismo, da Universidade do Algarve, e investigador convidado do Centro de Estudos de Comunicação e Linguagens(CECL). Tem várias obras publicadas do domínio da Sociologia do Turismo.

João Eduardo Martins é Professor Auxiliar na Faculdade de Economia da Universidade do Algarve e Subdiretor da licenciatura em Sociologia. É licenciado em Sociologia pela Universidade de Évora. Mestre e Doutor em Sociologia pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. É ainda Pós-Graduado em Gestão de Recursos Humanos. As suas áreas de interesse científico são a Sociologia Política da Acção Pública; a Sociologia da Educação, as Desigualdades Sociais e a Estratificação Social; o Trabalho e as Organizações Complexas. É membro da Comissão Editorial da Revista Organizações e Trabalho.

Bernardete Dias Sequeira é Professora Auxiliar da Faculdade de Economia da Universidade do Algarve e Investigadora do Centro de Investigação sobre o Espaço e as Organizações. É licenciada e Doutorada em Sociologia pela Universidade de Évora e Mestre em Gestão pela mesma Universidade. Tem lecionado em vários ciclos de estudos na UAlg  e os seus atuais interesses de investigação situam-se nas áreas da análise sociológica da gestão do conhecimento organizacional, a sociologia das organizações e as relacões entre a sociedade e o conhecimento.

António Fragoso é Doutor em Pedagogia pela Universidade de Sevilha. Atualmente é Professor Associado na Faculdade de Ciências Humanas e Sociais da Universidade do Algarve e investigador integrado do Centro de Investigação sobre o Espaço e as Organizações (CIEO). Os seus interesses de investigação situam-se na área das Ciências da Educação, nomeadamente a educação de adultos, o desenvolvimento local, a educação não-formal e informal na comunidade e os estudantes não-tradicionais no ensino superior.

Para mais informações contactar: femest@ualg.pt ou jfmarq@ualg.pt

Propinas e taxas 2020/2021

Candidatos nacionais: 2500 Euros (1.º ano - 2000 Euros; 2.º ano - 500 Euros)

Candidatos internacionais*: 4000 Euros (1.º ano - 2250 Euros; 2.º ano - 1750 Euros)

Taxa de candidatura: 50 Euros

Taxa de Inscrição e Seguro Escolar: 175 Euros

Nota: A propina deste curso pode ser paga em 10 prestações, sendo a primeira no ato da matrícula e as restantes nos meses de outubro, novembro, dezembro, janeiro, fevereiro, março, abril, maio e junho.

*de acordo com o Decreto-lei n.º36/2014, são considerados estudantes internacionais os nacionais de um estado que não seja membro da União Europeia e que não residam legalmente em Portugal há mais de dois anos, de forma ininterrupta, em 31 de agosto do ano em que pretendem ingressar no ensino superior.

As candidaturas aos cursos de Mestrado são efetuadas através do Portal Académico.
 
Saídas Profissionais

Os mestres em Sociologia estão particularmente vocacionados para intervir em domínios como: - instituições estatais e serviços centrais de planeamento e ordenamento do território, da educação, da justiça, da habitação, da segurança social, da saúde, da cultura, de estatística e demografia. - organismos regionais de planeamento e ordenamento urbano ou do território, autarquias, direções regionais do ambiente, da saúde, da segurança social, do ensino, da cultura, do turismo. - empresas em geral e, em particular, aquelas que atuam nos domínios da publicidade e estudos de mercado, da prospeção da opinião pública, da comunicação e da arte, etc., ou departamentos empresariais nas áreas dos recursos humanos, assessoria, imagem, planeamento estratégico. - organizações não governamentais e IPSS com atuação nas áreas sociais, como o combate à pobreza e à exclusão social etc.